Broken Jazz Society - Gas Station
3 Faixas - Zombie Union Records - 2014

    O Power Trio de Stoner Rock de Uberaba/MG composto atualmente por Mateus Graffunder na guitarra e vocal, João Fernandes no baixo e Felipe Araújo na bateria já está na ativa desde o final de 2013. Em 2014 lançou o seu primeiro cd, o Tales From Purple Land, que alcançou uma repercussão positiva e credenciou o Broken Jazz Society a se tornar mais conhecido.

    Desta forma, para 2016, o Power Trio gravou no 106 Studio em Uberaba/MG junto a Ricardo Barbosa o seu novo EP, que recebeu o título de Gas Station, que foi mixado e masterizado por Gustavo Vasquez ( que já cuidou também dos álbuns de nomes como Black Drawing Chalks, Hellbenders e Uganga ) no Rock Lab Studio em Goiânia/GO. Na capa vemos uma obra inacabada e largada, do jeito que temos muitas no Brasil em um verdadeiro desperdício de dinheiro público e que neste caso evidencia o mundo contemporâneo, onde a humanidade não se importa com nada, como na definição da banda: é como se estivéssemos, figuramente, o tempo todo abastecendo nossos veículos mentais num posto de ideias em chamas que nunca explode.

  E para entender este conceito, a faixa título Gas Station abre o EP com toques na bateria curtos e riffs de guitarras mais lentos e sujos em uma pegada Blues/Rock, que se acelera para uma linhagem mais Rock´n´Roll destacando os ótimos vocais de Mateus Graffunder alternando entre estes dois pontos de uma forma deveras interessante em seus breves minutos te convidando a pular junto com a eletricidade despejada pelo trio.

    Depois com um andamento mais distanciado e um pouco viajante temos a regravação de Riot Spring, que esteve no primeiro cd e neste Gas Station aparece com dedilhados que exibem uma cara mais introspectiva, mas isso, até que sua energia exploda em um ritmo puramente Stoner Rock, bastante encorpado e dotado de ótimos solos de guitarra em uma cativante base instrumental de baixo e bateria ao agrado dos fãs de Grunge.

    Mean Machine que é a terceira e última do EP Gas Station também começa aos dedilhados em uma atmosfera mais afastada, dotada de uma melodia atraente e que ganha mais potência a maneira que Mateus Granffunder canta e toca sua guitarra, porém, inteligentemente o trio diminui sua intensidade para depois aumentá-la com fortes toques nos pratos da bateria de Felipe Araújo e no baixo de João Fernandes junto a solos revigorantes de guitarra.

      O Broken Jazz Society captura o ouvinte por conta destas vibrações que fazem nas músicas ao começarem mais calmos e posteriormente se 'ligarem no 220v' com um Stoner Rock muito envolvente, que te deixará curioso(a) para o vindouro segundo álbum do Power Trio, que enquanto não chega deleite-se com este Gas Station.
Nota 8,5.

Sites: http://www.brokenjazzsociety.com/ e http://www.facebook.com/brokenjazzsociety.

Por Fernando R. R. Júnior
Novembro/2016

Voltar para Resenhas